sábado, 9 de janeiro de 2010

Sem motor .


A tragédia inibida, estampada no peito que exala dor. As tentativas inválidas, escondidas dentre o meu cobertor. Noites de um verão quente, flagrado no frescor da brisa que passa nessa janela com grades. A TV ligada, palavras encerradas e um coração sem motor. Um céu negro, raramente tão observado e profundo, que atormenta meus desejos imundos. Encolhina na cama, construindo moradias solitárias dentro da própria alma. Lábios pesados, suspiro dobrado, e evitando mas dizendo; que o amor tem sim o seu fim.

2 comentários:

  1. Acaba, mas logo aparece outro xD

    Adoro vc

    ResponderExcluir
  2. UAU , que linda isso , que profundo também *-*

    ResponderExcluir